a versão 2 do naPraia... o original começou em http://napraia.blogs.ca.ua.pt
pesquisar neste blog
posts recentes

E com este são 10.000 posts :)

SAPO Campus: uma experiência em desenvolvimento (resumo)

Quem é que na UA conhece o Sapo Campus UA?

"Where we go from here?"

Sapo Campus Escolas: Apresentação de conceito

Videojogos em LabMM 3/NTC/UA

Avaliação: 150 itens por aluno?

E se publicar um post significar alguma coisa para alguém?

Aveiro By Water video

Facebook: like + dislike = ?

arquivos

Fevereiro 2013

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010
Queres mesmo ser meu amigo no #SAPOCampus?

Um dos aspectos que ficou por discutir no último post foi a criação de uma nova camada que será responsável pelo suporte a mecanismos de comunidade social dentro do SAPO Campus.



O desenvolvimento desta camada de serviços sociais parece-nos indispensável para o futuro do SAPO Campus. Dentro da equipa de desenvolvimento do projecto estamos todos de acordo que, neste momento, falta um mecanismos que permita estabelecer ligações mais fortes entre os utilizadores. 


O nosso grande desafio é chegar a acordo sobre o mecanismo mais adequado para colocar em prática esses objectivos/necessidades. O problema pode parecer simples mas está longe disso.A vossas opiniões são muito importantes para nos ajudar a tomar uma decisão!


Resumidamente, vou apresentar as 3 soluções que temos andado a discutir e as principais questões associadas:




Estas questões não são exclusivamente minhas. São fruto de algumas discussões realizadas com alguns elementos da equipa, com especial destaque para o Jorge Braz porque esta vai ser uma componente fundamental da sua dissertação de Mestrado em Comunicação Multimédia.


Repetindo o título e lançando a esperada discussão:


Quem é que quer mesmo ser meu amigo no SAPO Campus? :)


tags: , , , , ,

publicado por carlossantos às 14:56

8

De ricardofilipe a 27 de Janeiro de 2010 às 16:10
Pessoalmente, eu já sinto a falta de um mecanismo que me permita 'seleccionar', (uso esta palavra para não ser tendencioso quanto à tipologia de relação) outros utilizadores de modo a que seja mais fácil seguir os seus desenvolvimentos. Uma vez que me parece que esta plataforma se foca mais no processo de desenvolvimento do que propriamente num resultado final, uma forma rápida de me inteirar dos posts (e actividade) recente de um determinado utilizador é de facto uma questão fulcral.

Nesta perspectiva, fará sentido para mim um modelo de "seguir pessoas". Eu estou interessado em seguir o trabalho de determinados utilizadores, porque para me relacionar com a pessoa, posso facilmente adicioná-la no Facebook ou no Twitter; uma vez que estas componentes da comunidade vão ser inseridas na plataforma do Sapo Campus, a julgar pelo post anterior, torna-se ainda mais fácil este processo.

A meu ver, e tendo em conta o contexto em que estamos inseridos, o conceito de 'contactos' ou 'relações' fará mais sentido do que 'amigos'. Criar uma multiplicidade de relações (amigos, contactos, followers) parece-me algo confuso, uma vez que pode passar uma finalidade do Sapo Campus que não corresponde a um dos seus objectivos. Não sei se como funcionará a implementação do futuro Moodle quanto às questões sociais, nem como o Sapo Campus se pretende relacionar com a nova plataforma, por isso não quero atirar muita coisa para o ar.

Estritamente falando quanto ao SC, interessa-me criar grupos de utilizadores que me chamem a atenção, que me avisem da sua actividade recente na plataforma. Interessa-me também poder assistir à "timeline pública", de modo a que possa descobrir novos projectos e blogs que sejam do meu interesse seguir. Uma vez que o meu interesse é essencialmente profissional, atribuir as relações como "amigos" causar-me-ia alguma hesitação caso desejasse adicionar alguém a lista lista de... following, chamemos-lhe assim :)

Esta foi uma reflexão muito superficial, mas espero contribuir com alguma ideia.

Cumprimentos.


De moita-m a 27 de Janeiro de 2010 às 23:26
Olá! Tenho muitas coisas a dizer sobre as questões levantadas e acho que esta é uma excelente discussão e há muitas maneiras de olhar para estas perguntas. Hoje estou cansada e não vou escrever tudo o que me apetece (para também não aborrecer muito os leitores) mas prometo que vou pensar melhor sobre isto e talvez postar alguma coisa relacionada num futuro próximo (espero!). :)
Para começar e só para fundamentar um bocadinho o meu ponto de vista sobre este assunto, existem alguns conceitos que são importantes de referir: comunidade, rede social e capital social.
Primeiro, o Sapo Campus apresenta-se como uma “plataforma tecnológica que pode ser utilizada livremente e da forma que as pessoas quiserem” (Santos, 2009) :P mas.. é utilizada por uma comunidade académica e tem por traz uma instituição, logo a utilização é consciente no sentido de espelhar a imagem da universidade. Mas até que ponto faz sentido etiquetar os utilizadors como uma comunidade? Se estamos a falar do meu perfil, as minhas fotos, os meus vídeos, os meus blogs, os meus interesses, o facto de se partilhar com os outros utilizadores, maioritariamente provenientes da mesma comunidade académica, faz do Sapo Campus uma comunidade? Comunidade, implica que os indivíduos tenham algo em comum. Será que o facto de se pertencer à mesma instituição de ensino é suficientemente relevante para os utilizadores da plataforma Sapo Campus se constituam como uma comunidade? Não creio. Mas a discussão tb não é esta. Mas este pensamento é importante para a discussão que vem lá mais para a frente: Comunidade vs Comunidades vs Grupos vs Indivíduos?
Quanto às redes sociais e à integração de outros serviços externos na plataforma, é uma ideia interessante, bastante importante na visão global do perfil de um utilizador (que não é só o nome completo e um número de telefone numa página desactualizada do DeCA :P). Mas no que respeita ao pensamento do Sapo Campus enquanto rede social, onde vários utilizadores estão interligados entre si, é necessário pensar ao nível do capital social, ou seja, que partido é que eu quero tirar do Sapo Campus? Como é que eu vejo a minha presença aqui? Quais os benefícios reais de construir uma rede de contactos no Sapo Campus? Qual a utilidade da interacção directa com os outros utilizadores? Porquê criar uma rede de contactos se posso consultar na mesma os trabalhos/fotos/vídeos/blogs dos outros utilizadores? Que implicações pode ter a construção de uma rede de contactos no Sapo Campus nas minhas relações reais? (Afinal vim só fazer perguntas em vez de dar respostas…) Ou seja, por capital social entendo o lucro, a carga positiva, as vantagens, os benefícios que advém da interacção entre utilizadores, ao nível social. É importante considerar isto para além do ponto de vista do utilizador, enquanto pessoa única que se aborrece se tiver se fazer muitos cliques, mas considerar este problema ao nível da importância social. É preciso antever que o pensamento individual de um utilizador considera todas as variáveis sociais dos seus actos, ainda por cima quando estão em jogo relações virtuais que podem relacionar-se com a sua vida académica real. (Ex.: Se houver alguém no mundo académico com quem não se simpatize, o utilizador pensa duas vezes se não vai incluí-los na sua lista de contactos do Sapo Campus, porque mais tarde esses contactos podem vir a ser úteis.)
Sim, nós temos esquemas mentais que organizam as pessoas com quem nos relacionamos categoricamente: temos os amigos, os colegas, os colegas de trabalho, os colegas do desporto, os colegas da catequese, os conhecidos, os amantes, os inimigos, etc, etc, etc.. Mas isso são os nossos esquemas mentais, baseados num círculo de confiança que mantemos uns com os outros, que não faz sentido nenhum existir em comunidades virtuais, porque essa separação, às vezes, pode ser prejudicial quando se pretendem obter determinados fins. Pois, esta questão do “Queres ser meu amigo no Sapo Campus?” não é levezinha, as pessoas agem sempre por interesses (que podem não ter no momento, mas poderão surgir no futuro, pelo que todas as opções são consideradas aquando da decisão de iniciarem uma ligação com alguém numa determinada rede social) não é só porque é fixe ter amigos no Sapo Campus :)


De carlossantos a 27 de Janeiro de 2010 às 23:37
Obrigado Marília e Ricardo.

O conceito de comunidade é realmente demasiado vago mas acaba por ser útil. Concordo que por vezes é utilizado de uma forma demasiado leve embora não me choque que se fala da comunidade do Facebook ou do Twitter para nos referirmos a todos os utilizadores dessas ferramentas.

Não querendo responder directamente às questões colocadas (espero que apareçam outras vozes), existem algumas funcionalidades previstas e que julgo serem relevantes para esta discussão. Vamos implementar um serviço que o Ricardo mencionou e que se assemelha à nossa homepage do Facebook. A lista de contactos vai permitir seleccionar quem é que queremos ver na nossa timeline principal por defeito.

Associada a esta timeline por defeito estamos a explorar o conceito de timelines contextuais. Por exemplo, sendo docente de NTC posso ter uma opção para ver rapidamente o que todos os meus colegas estão a publicar... mesmo que não estejam nos meus contacto. Mas este é um conceito que quero explorar noutro post ;)


De moita-m a 27 de Janeiro de 2010 às 23:30
Aí vai o segundo bocado, com as respostas, contando apenas com a minha sincera opinião!

- Criar amigos

Queres mesmo ser meu amigo no SAPO Campus?
Quero ser amigo dos meus professores?
Quero ser amigo dos meus alunos?
Se não aceitar o convite do meu colega será que ele vai ficar chateado comigo?

Resposta a estas 4 questões: é preciso perceber qual o impacto que as relações estabelecidas no Sapo Campus têm no “mundo real”, por causa da grande carga institucional que faz peso em cima da plataforma. Por outro lado, sou pessoa de achar que professores, alunos e funcionários estão todos no mesmo pé: somos todos aprendizes e por isso temos algo para partilhar, construir, discutir, reflectir, digerir e aprender uns com os outros, logo não me faz confusão nenhuma estabelecer ligações com os outros, mas será que todos pensam assim? Pelos motivos que referi anteriormente, não me cheira.

Não posso seguir o perfil de uma pessoa se ela não me aceitar como amigo?
Fará sentido não permitir seguir pessoas se os seus perfis são públicos?

Resposta a estas 2 questões: Faz sentido continuar a poder seguir pessoas sem estas serem estabelecidas relações, mantendo os perfis públicos.

Vamos criar diferentes grupos de amigos? Mas será que os utilizadores se estão para chatear com todas essas possibilidades?
Designar "ligações" em vez de "amigos" ajuda a resolver algumas das questões anteriores? (inspiração no LinkedIn)

Resposta a estas 2 questões: Não consigo decidir se faz sentido agrupar os utilizadores em grupos de interesse, precisava de perceber como estão a pensar esta possibilidade. A designação “amigos” faz-me confusão, “ligações” soa-me melhor neste contexto.

- Seguir Pessoas

Se quisermos avançar para um modelo de níveis de privacidade da informação como é que o podemos implementar sem a lógica de amigos?

Na minha cabeça, se a plataforma serve para publicação de trabalhos, fotos, vídeos, posts, enfim, coisas de interesse em contexto académico, não consigo encaixar níveis de privacidade aqui.

Como podemos implementar uma ferramenta de chat na Web (tipo Facebook) sem a lógica de amigos?

E faz mesmo sentido uma ferramenta de chat ? :) Haver uma caixa de mensagens para o utilizador soa-me melhor.

Será que a possibilidade de detectar a existência de uma relação individual mas reciproca (eu sigo-o mas ele também me segue) é suficiente para implementar os mecanismos anteriores?
Se for uma caixa de mensagens, sim.

Será que devemos identificar automaticamente como amigos quem estiver na categoria descrita no ponto anterior?

A existência de uma ligação é suficiente para disponibilizar os mecanismos pensados: se eu aceitei ter ligação com essa pessoa, já sabia que ela podia comunicar comigo quando aceitei.

- Seguir + Amigos
Mais clicks para criar relações?

Para quê criar mais complicações aos utilizadores?
Será que eles vão compreender esta mistura de conceitos?

Não estamos a tentar reinventar a roda e, por causa disso, a criar algo sem sentido?

Resposta às questões: Como já escrevi antes, na nossa cabeça definimos muitos bem quem são os amigos e quem são os outros e qual o nível de partilha de informação que se adequa a cada um. Neste contexto penso que não faz grande sentido dividirem-se as coisas: existir a possibilidade de estabelecer ligação com os utilizadores dá acesso a determinadas funcionalidades, se não quiser ter esse nível de partilha com o utilizador, se não estiver interessado em segui-lo e em saber + facilmente sobre os trabalhos dele, não me ligo a ele e continuo a ir ver os seus trabalhos e o seu perfil quando me apetecer. Sem talões, cartões nem outras complicações :P

Peço desculpa pela extensão e tive de dividir em 2 posts, espero que não adormeça a ler… Eu bem disse que havia muito a dizer... :(



De carlossantos a 27 de Janeiro de 2010 às 23:41
Obrigado por todas as tuas respostas sinceras.

De um modo geral posso concluir que achas suficiente uma solução idêntica à do twitter, certo?


De moita-m a 27 de Janeiro de 2010 às 23:54
De um modo geral, sim. :)


De bjr a 27 de Janeiro de 2010 às 23:54
Posso ser teu amigo se quiseres...


De leonor santos a 28 de Janeiro de 2010 às 15:14
Hi.

Let's go for it.
What shall I do?

Cristin@


Comentar post

mais sobre mim
tags

todas as tags

links
subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post