a versão 2 do naPraia... o original começou em http://napraia.blogs.ca.ua.pt
pesquisar neste blog
posts recentes

E com este são 10.000 posts :)

SAPO Campus: uma experiência em desenvolvimento (resumo)

Quem é que na UA conhece o Sapo Campus UA?

"Where we go from here?"

Sapo Campus Escolas: Apresentação de conceito

Videojogos em LabMM 3/NTC/UA

Avaliação: 150 itens por aluno?

E se publicar um post significar alguma coisa para alguém?

Aveiro By Water video

Facebook: like + dislike = ?

arquivos

Fevereiro 2013

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008
Have you been paying attention?
How do your students learn?

[youtube]_M_336pDWoM[/youtube]

Um vídeo muito interessante sobre educação em geral e não apenas para aqueles que se preocupam com a utilização das novas tecnologias em educação.

Obrigado à Judite Lucas por ter disponibilizado este link aqui.
tags: ,

publicado por carlossantos às 15:49

9

De João Lima a 2 de Janeiro de 2008 às 22:00
Olá!

Por acaso vi este vídeo noutro contexto.
No entanto, a sua validade é imensa. Lembro-me de um mestre que tive que foi talvez um dos melhores professores que conheci, que dizia que um bom professor dava aulas no deserto. Sem precisar de mais nada do que a sua própria imaginação.
Hoje as perguntas que se colocam a um professor são muitas. Como é que os alunos aprendem? Como se relacionam? Como se relacionam com o Conhecimento?
Fica aqui um link com um conjunto de perguntas e respostas também muito interessantes...
http://www.slideshare.net/flairandsquare/teaching-gen-y-web
Mas o título destes slides é a Arte de Ensinar.
Arte, sim. E como a Arte a questão é só uma... Somos ou não vanguarda na educação?

Até breve!


De João Lima a 10 de Janeiro de 2008 às 12:04
Olá!

No seguimento do ultimo coment lembrei-me de deixar aqui este curiosa reflexão...
http://weblogg-ed.com/2006/dear-kids-you-dont-have-to-go-to-college/

Até breve.


De mónica a 11 de Janeiro de 2008 às 18:43
"In many ways, I envy you. I think about all of the time I spent “learning” about things that had absolutely no relevance to my life’s work simply because I was required to do so." - Retirei este parágrafo dos muitos que compõem a "carta" que o João aqui indicou, e da qual gostei imenso.

Uma das diferenças que encontro na maneira como vivi a minha graduação e a pós-graduação, é aquela que se prende com a motivação (e que está, de certa forma, presente nesta carta): licenciei-me porque tinha que ser, estou no mestrado porque quero.
A grande diferença entre estes dois momentos é um pouco a diferença entre os currículos oficiais e os PLE’s (e confesso que sobre estes segundos não sei grande coisa): aquilo que alguém definiu que interessa e aquilo que realmente tem interesse. Aquilo que o aluno recebe e aquilo que o aluno procura aprender.
Não me parece que estas duas vertentes não possam coexistir: ao longo do mestrado, cada vez que alguém ia “mais longe”, cada vez que o trabalho superava o que era esperado, não estávamos perante uma mistura bem sucedida de um programa oficial e um interesse genuíno?
Ainda sobre este tema, e no seguimento do link do João Lima, fica este:
http://www.youtube.com/watch?v=D1R-jKKp3NA
o discurso de Steve Jobs, apresentado aos alunos da escola onde trabalho num seminário sobre “liderança e gestão pessoal”. Verdadeiramente inspirador :)


De João Lima a 12 de Janeiro de 2008 às 16:52
Olá!
O problema é como encaixar a auto-aprendizagem... a aprendizagem não-formal e informal no contexto emergente de aprendizagem na sociedade da informação.
Deixo um vídeo interessante:
http://www.youtube.com/watch?v=iG9CE55wbtY
Até breve.


De mónica a 14 de Janeiro de 2008 às 11:54
Olá!
Esse problema não estará associado ao "contexto emergente" que referes? Num futuro próximo, onde o livre acesso à informação e estas novas tecnologias não forem novidade mas realidade, fará sentido a distinção entre aprendizagem formal, informal, auto-aprendizagem ou todas estas vertentes serão assumidas como componentes de um mesmo processo?
Vivemos ainda num contexto em que a actualização dos currículos (em termos de ensino, por exemplo) implica um demorado processo burocrático; bibliografias recomendadas nos cursos - com excepção de alguns como o nosso, felizmente - datam da década de 90; existem ainda sectores de mercado que valorizam mais, na selecção dos seus recursos humanos, a formação académica tradicional (licenciatura em x) que a experiência profissional ou formação complementar "não certificada" (um exemplo? a exigência dos "CAP", que ainda hoje não entendo). Por outro lado, felizmente, o conceito de "aprendizagem ao longo da vida" começa a ser dissociado de cursos de formação do Office para a terceira idade e começa a ser encarado como um a forma de estar na vida, um processo quase indispensável ao desenvolvimento da sociedade. É só esperar - e ter esperança - que este conceito passe para as instituições...
Quanto ao vídeo, excelente. Como alguém dizia, é daqueles vídeos que toda a gente devia ver pelo menos uma vez por ano :)


De João Lima a 18 de Janeiro de 2008 às 23:33
Olá!

Longe de estar em mim uma visão romântica do que deve ser a educação e a aprendizagem. Sempre defendi que aprender exige alguns rituais necessários como a leitura, a reflexão e uma apropriação do conhecimento que passa pelo "estudo".
Gostei particularmente da metáfora do "poder aprender para além da escola" no artigo que deixei.
Agora, a aprendizagem ao longo da vida... pois é... Lembro-me de ler um livro quando tinha 16 anos. Chamava-se "O vermelho e o negro". Depois, muitos anos mais tarde reli. Aprendi o mesmo. Mas reflecti muito mais.
É talvez essa a potencialidade da informação. E o computador net é hoje uma fonte inesgotável de informação.
Mas o que fazem os nossos alunos? 99% vai à internet ver o HI5 e os vídeos no youtube (gatos fedorento, futebol, lutas) e pouco mais... Usam o computador, não sabem trabalhar com o computador.
Muito é a culpa do radicalismo... para os alunos o computador é motivador... tomem lá... é divertido... tomem lá... ensinar tem que ser divertido... tomem lá... e caímos no facilitismo associado a que não é preciso esforço e trabalho para aprender...
No entanto, penso sempre no que pensarei sobre o que sei hoje quando tiver 80 anos (se lá chegar...) e penso que me falta saber tanto...
Deixo uma pérola... daquelas únicas...
http://videos.sapo.pt/FAzZ7NWcuiTyIp1PEqu6

Até breve.


De João Lima a 20 de Janeiro de 2008 às 13:37
Olá!

Embora em português do Brasil... deixo a Geração C...
http://www.youtube.com/watch?v=UI2m5knVrvg
:)

Até breve!


De João Lima a 27 de Janeiro de 2008 às 12:44
Olá!

Prof. Carlos... olhe um vídeo tão interessante para as suas aulas! :)
E ainda no contexto da aprendizagem informal e redes de aprendizagem!

Ver: http://www.youtube.com/watch?v=NlETGJ0mnno

Até breve!


De csantos a 27 de Janeiro de 2008 às 23:54
Obrigado João!

Vou passar o vídeo para um post.


Comentar post

mais sobre mim
tags

todas as tags

links
subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post