a versão 2 do naPraia... o original começou em http://napraia.blogs.ca.ua.pt
pesquisar neste blog
posts recentes

E com este são 10.000 posts :)

SAPO Campus: uma experiência em desenvolvimento (resumo)

Quem é que na UA conhece o Sapo Campus UA?

"Where we go from here?"

Sapo Campus Escolas: Apresentação de conceito

Videojogos em LabMM 3/NTC/UA

Avaliação: 150 itens por aluno?

E se publicar um post significar alguma coisa para alguém?

Aveiro By Water video

Facebook: like + dislike = ?

arquivos

Fevereiro 2013

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Quarta-feira, 24 de Setembro de 2008
SAPO Campus / Portal Universitário 2.0 - Introdução
Este é o primeiro post público sobre o projecto SAPO Campus que, enquanto conceito de investigação, começou por chamar-se Portal Universitário 2.0. Este é um projecto que me diz muito porque, para além de representar a parte mais visível do meu trabalho de doutoramento, é o resultado de um extenso e intenso trabalho de investigação que tenho vindo a realizar nos últimos anos.

Como vou começar a escrever regularmente sobre este assunto, hoje vou optar por ser breve… mas espero conseguir despertar a atenção para os posts que se vão seguir :)

Acredito no enorme potencial das ferramentas da Web Social/2.0 em contexto educativo (talvez hoje já muitos não duvidem!) e considero que, neste momento, a maioria das instituições de ensino se encontra numa encruzilhada. Estas continuam oficialmente a dar suporte e incentivar a utilização de um LMS institucional mas cada vez mais professores e alunos começam a sentir a necessidade de utilizar ferramentas da Web 2.0 para suportar algumas das suas actividades pedagógicas e/ou científicas. Para estes (normalmente os mais aventureiros), na maioria das vezes a solução passa pelo recurso aos muitos serviços disponibilizados gratuitamente fora da própria instituição.

Do ponto de vista pessoal e de investigador não tenho nada contra a utilização dos excelentes serviços que, quase diariamente, vão sendo disponibilizados na Web! Eles são para mim fundamentais…

No entanto, enquanto este tipo de utilização da Web 2.0 persistir a um nível institucional, muito dificilmente, assistiremos a uma disseminação em larga escala nas respectivas comunidades. Sem essa utilização em larga escala, considero que estamos a perder um enorme potencial, principalmente na capacidade de promover uma cultura de maior abertura do ponto de vista pedagógico e científico dentro das instituições de ensino.

Como conseguir a disseminação de serviços da Web 2.0 dentro de uma instituição é uma questão complicada e para a qual tenho procurado encontrar uma resposta.

Na realidade, actualmente já são disponibilizadas algumas soluções que aparentemente apresentam uma solução simples e eficaz para a questão anterior. A primeira solução é apresentada pelos próprios LMS que, procurando responder a estas necessidades, têm vindo a adaptar-se/transformar-se de modo a permitirem uma maior abertura com a introdução de alguns serviços com características idênticas aos da Web 2.0. Uma outra solução tem surgido com a nova oferta de plataformas orientadas para a construção de comunidades sociais, que agregam de raiz um conjunto de serviços da Web 2.0, por exemplo, o Ning e o Elgg.

Relativamente a estas novas plataformas, quando começaram a ser discutidas e disponibilizadas, o seu potencial pareceu-me interessante. Apesar de continuar a achar que são plataformas interessantes e com algum potencial em contextos educativos, actualmente encontro-me a preparar um artigo cujo título provisório é “Are Elgg and Ning in Web 2.0?” e, no qual, procurarei demonstrar porque é que a resposta se deve inclinar para o não! Mais tarde voltarei a este assunto.

Algumas destas preocupações aparecem mencionadas num artigo do qual destaco a seguinte afirmação:

“Jim Groom, an instructional-technology specialist and adjunct professor at the University of Mary Washington, coined the term, and this week on his blog he declared himself a poster boy for the movement. He says he is worried that Blackboard’s latest release, which attempts to incorporate the latest social-networking tools, will end up presenting a watered-down version of what pioneers of Web 2.0 technologies have done in their experiments. (o termo a que se referem é “Edupunk”. O bold é da minha responsabilidade e a extensão da “preocupação” a serviços como o Ning e o Elgg também.)

Então, idealmente, que tipo de serviços Web 2.0 as instituições de ensino devem disponibilizar para a sua comunidade?

Entre outras considerações, o objectivo fundamental deve passar por conseguir disponibilizar localmente um conjunto de serviços independentes (blogs, wikis, social bookmarking, fotos, vídeos,…) que permitam uma utilização livre (sem aprovações superiores) a qualquer membro da comunidade (professores, alunos e funcionários) e, por defeito, abertos para o exterior.

Conseguir algo deste tipo parecia muito complexo, mas observando a forma como o SAPO estava internacionalizar ou descentralizar a sua presença e oferta de serviços para Cabo Verde e Angola, a solução pareceu-me relativamente simples. O objectivo anterior poderia ser largamente alcançado se o SAPO permitisse o mesmo tipo de descentralização de serviços ao nível das instituições de ensino!

Alcançado este objectivo, a solução não me pareceu suficiente para responder a algumas necessidades básicas específicas das instituições de ensino. No estudo efectuado, tornou-se evidente que seria imprescindível adicionar novas funcionalidades que permitissem transformar o processo de agregação de vários serviços em algo muito simples para o utilizador final.

A proposta elaborada foi esquematizada no diagrama geral que se segue:

SAPO Campus - Diagrama

O post já vai demasiado longo para explicar minimamente os objectivos de cada sub-projecto (identificados por P#). Essas explicações ficam prometidas para os próximos dias bem como o destaque das pessoas envolvidas em cada um desses trabalhos.

A plataforma aqui presente não pretende dar resposta a algumas questões e situações que os LMS actuais resolvem de uma forma adequada, nomeadamente assegurar a privacidade das comunicações, garantir o acesso reservado a conteúdos, fornecer mecanismos de tracking e disponibilizar ferramentas de avaliação. Muitos cenários de Ensino e Formação à Distância têm estas condicionantes reais!

Para já fica aberta a discussão a esta proposta :)

Para terminar queria destacar o enorme contributo do Benjamin Júnior e do Luís Pedro em todo este trabalho que temos vindo a desenvolver. Obrigado!
tags: , ,

publicado por carlossantos às 22:42

7

De joão a 25 de Setembro de 2008 às 10:32
isto vai ser mesmo extensível a outras universidades, também? uau!
era tão fixe fazer-se luz, como se fez luz com o Mark Zuckerberg!
só agora é que estou a ver o que vocês estão a fazer lá dentro - sempre que lá passo, vem-me esta (http://www.youtube.com/watch?v=JaLjwSpZ6Cs) música do tom waits à cabeça - mas é um projecto brilhante! oh, web2.0!


De csantos a 25 de Setembro de 2008 às 13:38
Obrigado João!

O teu comentário levanta duas questões...

Quanto ao SAPO Campus o objectivo é mesmo construir um novo serviço do SAPO que qualquer estabelecimento de ensino (não é só para universidades, apesar do "Campus" no nome). Acho que mesmo, no futuro, podemos questionar o porquê se ser só para estabelecimentos de ensino. Porque não outras instituições... mesmo com fins lucrativos?

A música do Tom Waits é bestial mas levanta-me uma preocupação. Não queremos de forma nenhuma que o Lab SAPO/UA seja um espaço fechado envolto em grande secretismo. A porta está encostada mas qualquer pessoa pode aparecer que será bem recebida. Terei todo o gosto em fazer uma visita guiada!

Muito brevemente vamos resolver esta questão de comunicação. A nova presença Web do Lab está quase pronta a ser divulgada e todos vão ter a possibilidade de seguir de perto as nossas actividades... e mesmo participar!

Até breve ;-)


De joão a 25 de Setembro de 2008 às 15:09
Então é desta que lá apareço para ver o que estão a maquinar! :)


De Andabata Mandelbrot a 26 de Setembro de 2008 às 09:08
Ah, eis que fico a conhecer melhor o teu doutoramento! Muito interessante e oportuno. E meter o SL e outros mundos virtuais (como as abordagens multi-mundos da Global Kids), será ainda outro desafio, quer se lhe chama Web 2.0, Web 3.0 ou qq. outra coisa.

As peças vão-se montando: Sloodle (acesso a conteúdo LMS in-world), serviços de submissão de elementos de avaliação, controlo de assiduidade (quando for requisito institucional), controlo de acessos automático... Mas falta uma reflexão panorâmica global. Vamos a isso?


De csantos a 26 de Setembro de 2008 às 13:57
Obrigado Andabata!

Tive pena em deixar os ambientes virtuais 3D de fora dos objectivos do doutoramento... mas tive que ser pragmático ;)
Quanto às questões que mencionas no segundo parágrafo tenho muitas dúvidas relativamente a algumas questões como o controlo de assiduidade e controlo de acessos automáticos. Será que faz sentido utilizar esses mecanismos no ensino superior? E noutros níveis de ensino?
(aqui prefiro deixar de fora da discussão ambientes empresariais com outros requisitos ao nível da formação dos funcionários)

Ab.


De Cjapes a 28 de Setembro de 2008 às 01:29
UA(u)! O projecto pareceu-me bastante interessante e, em certa medida, perfeitamente compreensível e ligado a imagem do professor que o ano passado nos pediu para fazermos blogs para um portal universitário web 2.0 utilizando ferramentas do Sapo.

Por outro lado, uma questão se levanta na minha cabeça, é que já vi muitas tentativas, até no sapo, de criar espaços universitários on-line (mesmo já tendo dito que este projecto não é só para fins universitários). Sempre me pareceram não terem sucesso. Como o campus.sapo.pt (ou terá sucesso e eu estarei enganado?).
O que é que o seu projecto trará de novo? Será apenas um juntar de funcionalidades que agora estão dispersas pela Internet fora?

Longe de o querer criticar, o professor já mostrou, sem dúvida, perceber muito sobre o assunto. Imagino que já tenha resposta a estas perguntas. Estou só a tentar aprender mais um pouco consigo =)


De csantos a 28 de Setembro de 2008 às 16:01
Olá Cjpaes! (pelo nickname não percebi quem és)

Parece que afinal alguém conhecia o campus.sapo.pt :)
Eu não conhecia e por isso ainda estamos a resolver a questão do nome... mas isso é o menos importante.
Relativamente ao sucesso dessa iniciativa não posso falar porque não tenho dados.
O que esta proposta tem de novidade parece-me uma questão muito interessante. A ideia base do projecto não é criar um serviço centralizado como muitos outros que já foram tentados. O que aqui se está a desenvolver é um serviço para as instituições levarem para os seus espaços... sem terem que se preocupar com gestão de servidores e serviços de mais baixo nível. Por exemplo, queremos que a UA (e posteriormente outras instituições, disponibilize para a sua comunidade, um conjunto de serviços Web2.0 integrados e identificados com a instituição. Ou seja, a UA vai ter uma plataforma de blogs, fotos, videos,... que ficará disponível para todos os membros da sua comunidade utilizarem de forma livre e aberta. Embora a tecnologia que estamos a utilizar seja do SAPO, a oferta será um serviço da UA, ou de cada instituição que venha a aderir.
No entanto, na minha opinião, a oferta de uma plataforma com estas características não será suficiente para promover uma utilização mais abrangente na comunidade. Penso mesmo que aqui o maior problema poderá ser junto dos docentes! É por isso que estamos a desenvolver uma série de serviços pensados especificamente para o contexto educativo e que estou convencido que poderão fazer toda a diferença. Brevemente vou escrever mais sobre os vários P# da imagem.

Obrigado pelo comentário!


Comentar post

mais sobre mim
tags

todas as tags

links
subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post